A pressão de ser bem sucedido aos 20 e poucos anos

Ontem eu li um texto no Facebook sobre cada um ter seu próprio tempo, em tudo na vida. Não é porque a maioria está se formando aos 25, que você também precisa se formar com essa idade. Não é porque fulano já casou e tem filhos com 28 anos, que você também deveria estar planejando um casamento. Esse texto me deu uma sensação boa de alívio, de saber que tem tanta gente na mesma situação que eu e muitas outras pessoas. Mas eu tenho 20 anos recém completados e já sofro com essa pressão? Sim, desde o colégio. E é uma pressão as vezes muito mais interna do que externa, principalmente quando se entra numa universidade.

É claro que essa pressão e essa cobrança de nós mesmos vem influenciada do mundo exterior. Principalmente hoje, quando os colégios deixaram de agir como colégios e passaram a agir como empresas, essa cobrança de ser bem sucedido começa mais cedo ainda, e nem pelos nossos familiares mas por nossos professores e diretores. E quanta gente quase não enlouquece dentro de uma escola de tanto ouvir sobre vestibular?

Comecei a escutar sobre vestibular e ser alguém na vida quando tinha uns 12 anos, no 2º colégio que entrei, um colégio que começava a entrar nos moldes de dar aulas para crianças como se fosse um cursinho de pré-vestibular. Minha educação nesse colégio foi muito mais avançada de todos os outros que já passei. Precisei parar minhas atividades: dança e teclado, porque não havia mais como conciliar a escola com o que uma criança de 12 anos deveria fazer. Em uma das aulas, precisávamos apresentar o planejamento da nossa vida: o curso que iria fazer, qual carro compraria (lembro que escolhi um Ford Ka e riram de mim), quantos filhos, etc, e eu só entendia de Naruto.

Agradeço MUITO aos meus pais nunca terem colocado qualquer tipo de pressão em cima de mim pra passar em um vestibular. Isso fez com que eu não enlouquecesse, porque escutei até o 3º ano do ensino médio incansavelmente sobre o quanto eu iria fracassar na vida se não passasse em uma faculdade, não me formasse aos 22, pra procurar emprego aos 23 e terminar um pós antes dos 30. E bom, toda vez que um diretor marrento dava esporro para estudarmos igual uns robôs, apenas entrava por um ouvido e saia pelo outro, ou eu ousava dizer que não iria para a faculdade pública, para a surpresa e espanto da diretoria, que chegava a me olhar com pena.

Bom, sinto lhe informar caso ainda não saiba, mas o colégio não ta nem aí pra sua vida depois dali. Eles só querem números e nomes para estampar grandes outdoors provando o quanto estudar com eles é sinônimo de vencer na vida. E sinceramente, muita gente que se formou aos 22 e ganha mais do que seus pais já ganharam durante toda a vida, é tão feliz assim. Geralmente, estão perdidos.

Por isso, se você ta aí nos 20 e poucos como eu, ou mesmo chegando aos 30 (ou tem mais do que isso, nunca é tarde), faça o que acha que deve fazer no momento e não se preocupe em “estar ficando velho”. Tenho 20 anos com uma alma bem mais velha, aos 19 estava desesperada por estar entrando em uma 4ª faculdade. Agora, aos 20, entrando na 5ª (claro, sem completar as outras) apenas sinto que estou fazendo o certo.

Se não está te agradando, se aquele curso não tem nada a ver com você, mete o pé enquanto da pra fazer isso. Procure por aquilo que te fará bem, mesmo que demore a encontrar. Então sim, estou sendo caloura pela 5ª vez e não me arrependo. Sei que me arrependeria muito mais se continuasse insistindo em um curso que não tinha nada a ver comigo, ou em faculdades mal administradas que não me ensinavam o que eu queria aprender.

O carinha da sua idade que já está com 2 diplomas embaixo do braço pode estar desempregado. Ou ele pode estar ganhando o que não precisa enquanto trabalha em algo que descobriu que odeia, e estar planejando recomeçar tudo do zero em um curso completamente diferente. Não se cobre tanto, apenas faça o que você sabe que deve fazer. E o mais importante: não ligue se alguém te chamar de louco por isso.

Relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *