Faculdade a distância vale a pena?

Ontem (31) saiu no site Exame que a quantidade de alunos nas faculdades presenciais particulares teve queda e no ensino a distância aumentou em 21,4%. Eu, como uma boa migrante de faculdades, já que estou na minha 5ª, vou explicar um pouco melhor para quem tem curiosidade sobre como é e se serve pra você estudar como eu estudo, na modalidade “EaD”.

Experiência nas Presenciais

Já disse nesse post sobre eu não me arrepender de estar sendo caloura pela quinta vez, mas não expliquei exatamente o porquê disso. Entrei na faculdade quando eu tinha 17 anos, em uma particular que era maravilhosa mas optei pelo curso errado. Estava estudando jornalismo e no 3º mês de aulas eu já sabia que aquilo ali nunca seria pra mim. Com todo mundo me apoiando a seguir em Design Gráfico tomei coragem e entrei em outra universidade nesse curso.

Porém, tive problemas pessoais nesse lugar que não acho necessário comentá-los aqui. O local apenas não me fazia bem. Não me sentia legal ali e no 1º mês eu tranquei e fui para outra universidade mas continuei no mesmo curso.

O que aconteceu nessa terceira, foi que após um ano e meio, descobri que de Design Gráfico o curso só tinha o nome. No 3º semestre eu ainda não havia visto nadinha do que eu queria aprender, e em uma das aulas com um professor que fundou o curso, ele explicou que o nome era só devido a uma exigência do MEC em se encaixar em alguma área, porque originalmente era apenas “Animação e Ilustração”. Isso me frustrou bastante e quando cheguei em casa, vi uma matéria online que pedia para eu desenhar um HQ!

Aquilo foi pra mim a gota d’água. Tenho culpa nessa história por não ter visto direito a grade do curso e esperar pra me decepcionar um ano e meio depois. Mas tive a experiência de estar num campus, conhecer outras pessoas e viver a vida de universitário que tanto falam.

1ª experiência DESASTROSA com EaD

Após a frustração por não estar aprendendo Design, resolvi procurar por outras faculdades que teriam o curso. Foi quando decidi conhecer uma no centro do Rio, em que eu já tinha feito prova de vestibular (ridícula) antes. Lá descobri que havia a modalidade a distância, na qual eu vi uma vantagem por todo o curso ser baseado no meu ritmo de aprendizado.

O meu aprendizado é muito rápido. Tenho facilidade para aprender muitas coisas, e por isso, eu não precisar me prender a uma turma e poder seguir mais rápido, era o que me deixava ansiosa pra fazer o EaD. Mas nessa faculdade tudo que eu consegui ter foi dor de cabeça e nessa semana quase os coloquei na justiça.

Enquanto eu não iria me prender a uma turma, eu tive professores que praticamente não existiam, o que me atrasou talvez mais do que se eu estivesse em um ensino presencial. Isso porque não sabiam administrar um curso a distância. Passavam informações erradas, não resolviam meus problemas e me enrolavam. Em resumo, posso dizer que não conseguia estudar porque não havia nem um orientador (perguntávamos algo referente a um trabalho de avaliação para entregar em 2 dias e recebíamos a resposta em 2 meses) e nem mesmo um conteúdo decente.

Só pra terem noção, o conteúdo da faculdade eram links de blogs e sites de Design, explicando qualquer coisa referente ao assunto, e vídeos do YouTube. Nada, absolutamente nada, era de autoria da faculdade. E pra piorar mais ainda, muitos dos links estavam fora do ar ou tinham conteúdos tão antigos que para 2017, não se aplica em mais nada.

Um completo descaso com o aluno. O problema não foi fazer uma faculdade a distância, pois vi que tenho muito foco e organização para estudar sozinha. Inclusive descobri que aprendo melhor já que preciso me dedicar em dobro a matéria para entende-la sem um professor presente. O problema é uma faculdade que não sabe administrar um curso que parece ser tão zoneado quanto no ensino presencial.

5ª tentativa: EaD de novo

Vi que no ensino a distância eu tenho muitas vantagens. Tenho o conforto da minha casa, poder acordar mais tarde, não precisar pegar transporte e encarar o trânsito para ir a aula, não corro o risco de ir a faculdade e o professor não aparecer. E ainda é muito mais barato, cerca de R$400 uma mensalidade.

Por isso, decidi continuar já que me adaptei bem a essa modalidade, só precisava de uma faculdade que levasse isso a sério. Pesquisei muito até encontrar a Unisul, que fica lá em Santa Catarina e possui pólos presenciais em todo o Brasil. Gostei muito do sistema deles, onde claramente temos uma presença maior dos professores e nossas provas são feitas presencialmente, apesar do curso ser a distância.

A sensação de não estar abandonada, como eu sentia antes, é muito boa. Agora eu sei o nome dos meus professores, datas de prova, dias de avaliação a distância, webconferências (alunos e prof via webcam e chat), e até mesmo trabalhos em grupo ocorrem. Diferente da outra, não posso seguir meu ritmo exatamente já que estou em uma turma, mas isso eu acabei relevando em comparação a toda a qualidade que tenho percebido.

O problema inicial foi que pra achar outro EaD em Design Gráfico foi complicado. Na verdade, não tem. Apenas o que tive essa decepção monstruosa. Optei por entrar em Sistemas para Internet, que na verdade, é o meu foco dentro do Design, e analisei bem a grade para não me decepcionar de novo.

Como funciona?

Vou falar do meu estudo na atual faculdade.

Nós temos, assim como eu tive na anterior, um sistema online de aprendizado. É um site online onde você tem login e senha e lá você tem acesso ao conteúdo de cada unidade, links e vídeos complementares, e também onde rola toda a interação professor-aluno. É lá onde postam avisos, datas, webconferências, dúvidas, trabalhos e interagimos também com os outros alunos.

Na Unisul, nós temos um plano de ensino e um roteiro feito por nossos professores para não ficarmos perdidos. O importante mesmo é estudar o conteúdo até o dia da prova presencial e entregar as avaliações a distância no prazo.

Eu estudo da seguinte forma: uma unidade de cada matéria por dia, alternando entre elas. Para cada matéria em que você se matriculou, você recebe um livro em casa escrito por eles mesmos. O livro possui as 9 unidades e explica tudinho. No final de cada unidade, temos exercícios de autoavaliação (com as respostas no final do livro). No sistema online, o professor pede para fazermos alguma atividade da matéria ou o que mais ele quiser pedir.

Estudo o livro, faço minhas anotações, faço os exercícios e as atividades referentes a essa disciplina. Mas aí isso vai de cada um. O ideal é você saber como estudar, saber como você aprende melhor, não deixar acumular e nem ter vergonha de tirar dúvida.

O perfil de aluno que você precisa ter

Muita gente sempre me diz que não conseguiria estudar como eu. E é verdade. Quem opta por esse ensino geralmente são pessoas adultas que já trabalham e tem sua vida e não possuem tempo pra ir a um curso presencial. Mas muitos, por não conseguirem se organizar, acabam trancando.

O que precisa ter, principalmente, é disciplina, foco e autoconhecimento. Se você quer saber se tem o perfil, recomendo comprar um cursinho online de algo que te interesse (sites: udemy, eduk, etc) e tentar estudar em casa com ele. Lembrando que a maioria desses cursinhos oferecem vídeo-aulas, que facilitam no aprendizado, e na faculdade não tem isso.

A disciplina pra estudar todos os dias em um determinado horário exige organização. Não rola ficar se distraindo com Facebook ou parando pra fazer qualquer outra coisa em casa que não tenha a ver com seu estudo. Autoconhecimento para saber qual é o jeito que você sabe estudar. É aprender a aprender sozinho(a) e colocar isso em prática.

Pros x Contras

Os pros com certeza são: não gastar tempo nem dinheiro com deslocamento, ter o conforto da sua casa, não gastar comendo fora de casa, ter liberdade no seu dia a dia para definir seus horários de estudo, ter seu ritmo de aprendizado e poder se dedicar a uma parte da matéria quantas horas achar necessárias e ter uma mensalidade muito mais acessível.

Os contras eu diria que o principal é não socializar com as pessoas e fazer contatos presencialmente. Por internet, conhecer seus “colegas” é bem mais difícil e esquisito. Já na faculdade presencial, rola de conhecer um grupo novo de amigos e ter respostas do professor na mesma hora. Fora a facilidade de entender melhor o conteúdo quando temos um professor com boa didática.

O presencial faz você viver a vida do universitário que reclama do salgado caro, das noites mal dormidas, das festinhas e choppadas, da xerox infinita, dos trotes e amigos. É algo que eu já passei, mesmo que por pouco tempo, e acho que todos nós deveríamos passar pelo menos 1x na vida porque as recordações são boas e é uma das melhores épocas da vida.

Mas para mim, que já passei por isso e não sou lá a pessoa mais sociável do mundo, o EaD combina mais nesse momento da minha vida e me traz mais vantagens que desvantagens. E saber se vale a pena faze-lo, depende muito de você.

Relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *